Crónica de uma viagem anunciada

A pergunta que mais nos têm feito e que continuam a fazer-nos quase todos os dias é “Quando começa a viagem?”.

Pois, para nós a viagem já começou. Começou há 9 anos quando nos conhecemos, recomeçou há 4 anos quando nos reencontramos e continuou cada vez mais intensa, quando decidimos que deveríamos seguir o nosso sonho e simplesmente fazer o que mais prazer nos dá… viajar.

Aproveito para contar-lhes como nasceu esta ideia:

Foi exactamente no dia 1 de Janeiro de 2012. Os meus pais tinham viajado até ao México para passar o Natal. Depois de 2 semanas maravilhosas em que pude rever os meus pais e juntar toda a familia mexicana e portuguesa numa festa de Natal que creio deixa saudades a todos, fomos então passear um pouco até à praia e, aproveitamos para passar o fim de ano em Huatulco, Oaxaca.

A viagem (bastante larga para standards portugueses, basta dizer que podiamos ter atravessado praticamente Portugal de Norte a Sul e regressar) é de 12 horas, das quais as últimas 6 servem para fazer somente 200km, por isso imaginem as curvas.

O tempo estava fenomenal, 35º em pleno inverno e nem uma nuvem à vista. O único pesadelo era que as férias estavam a terminar e o regresso à crua realidade já se vislumbrava demasiado perto para ser verdade.

Como em todas as férias, sempre procuramos a maneira de que as mesmas nunca terminem. Quantas vezes, cada um de nós, pensou, no final de uma semana de férias”… e se montássemos uma cabana na praia e vivêssemos aqui para sempre?…”, “… e montar um pequeno restaurante ou bar?…”. Claro que estas pequenas alucinações já nos haviam passado também a nós em outras viagens anteriores.

Ou, naquele “pueblito” mágico que nos encantou, num qualquer fim de semana prolongado, em que nos arriscávamos a procurar os recantos mágicos que existem neste México imenso e maravilhoso. Ou, num Cayo perdido no Belize, numa das mais fantásticas viagens que fizemos juntos e, que seria uma das motivações para dizer que sim a esta viagem. Ou na nossa lua de mel no Chile, onde conhecemos tanta gente interessante e vimos tantas paisagens paradisíacas, ainda despidas do toque humano e, ao mesmo tempo, tão agrestes e simples que nos deixaram tantas vezes em silêncio, simplesmente a comtemplá-las, sem necessidade de qualquer explicação ou comentário. Em qualquer um deste momentos, pensámos em como nos podíamos escapar da rotina diária que nos estava a corroer por dentro e que, somente, nos deixava respirar umas poucas vezes ao ano quando a oportunidade de mais uma viagem se nos deparava.

Mas, desta vez, o clique foi talvez mais forte e, parece que não nos ficamos simplesmente pelas palavras.

Nessa altura, por razões profissionais, havia uma possibilidade de voltar a Portugal. Isso significava que, em breve, teríamos de regressar ao Velho Continente e deixar para trás a América.

Os sentimentos confundem-se quando se prepara uma mudança deste tipo. A alegria de regressar com a família e os amigos de toda a vida, mistura-se imediatamente com a tristeza, a saudade e a nostalgia que logo, logo, mesmo antes de partir, se começa a entranhar.

A mente não te deixa esquecer nem um minuto dos amigos e da família que irão ficar deste lado. Muitos, sabes que nunca voltarás a ver, mas sabes também que nunca esquecerás os momentos mágicos que com eles viveste e partilhaste juntos e que sempre recordarás com tanto carinho.

Assim, com toda essa amálgama de emoções, com um futuro por decidir, em vez de incorporar a desgraça, preferimos ver a oportunidade. A oportunidade de realizar um sonho. A oportunidade de VIVER.

Nesse “fatídico” primeiro dia deste ano, algumas palavras mudaram-nos a vida:

Uma senhora chamada Isabel Allende, escreveu, creio que na década de 90, um livro chamado Paula. Nesse livro, quase em jeito de uma carta de 200 páginas, narra à sua filha, que se encontrava em coma, a história da sua vida. Uma vida fantástica, cheia de viagens e desventuras, muitas vezes atravessada por complicações difíceis de ultrapassar, mas que nos remetem a sítios incríveis, a pessoas ainda mais fantásticas e a destinos que nos enchem de inveja (da boa claro).

E, lembro-me que foi exactamente a passagem que cito em seguida que despoletou tudo isto:

“La Paz es una ciudad extraordinaria, tan cerca del cielo y con el aire tan delgado que se pueden ver los ángeles al amanecer, el corazón está siempre a punto de reventar y la vista se pierde en la pureza agobiadora de sus paisajes. Cadenas de montañas y cerros morados, rocas y pincelazos de tierra en tonos de azafrán, púrpura y bermellón, rodean la hondonada donde se extiende esa ciudad de contrastes.

Recuerdo calles estrechas subiendo y bajando como serpentinas, comercios míseros, buses destartalados, indios vestidos de lanas multicolores masticando eternamente una bola de hojas de coca con los dientes verdes. Centenares de iglesias con sus campanarios y sus patios donde se sentaban las indias a vender yucas secas y maíz morado junto a fetos disecados de llamas para emplastos de buena salud, mientras espantaban moscas y amamantaban a sus hijos.”

E, nesse momento, apercebi-me que havia tanto que eu queria fazer, tantos lugares que queria visitar e conhecer e que, simplesmente, estava a deixar tudo isso para trás e perguntei-me com que objectivo? E, não obtive resposta. Os únicos pensamentos que me ocorreram foram que queria conhecer a Bolívia, queria ir a Machu Pichu, queria ver Cartagena e chegar ao Iguaçu. Queria passar pela Amazónia, atravessar o Equador e a Nicarágua. Ver o Canal do Panamá… Quero voltar a comer yuca e a mascar coca… Quero ver “os anjos ao amanhecer”…

Nesse preciso momento, sem pensar, virei-me para a Sol e disse-lhe:

– E se fizéssemos uma viagem daqui até o Brasil?

Pensei que me fosse dizer que estava louco, ou que fosse inventar mil problemas e, simplesmente, chamar-me à razão e demover-me desta ideia louca provocada, quem sabe, por demasiado descanso ou por uma insolação intensa. Mas, a sua resposta foi imediata e com um sorriso enorme e sincero, num milésimo de segundo num grito quase mudo disse-me:

– Siiiiiiiiiim.

Ooops. Que fui eu dizer? Agora, já não me podia retratar, nem dar parte de fraco. Agora teria de aguentar as consequências do que havia dito e assumi-lo como um Homem:)

Seguiu-se uma muito breve conversa que definiria o nosso futuro mais próximo:

– Y, como vamos?

– De mochilero.

– Tuve una mejor idea, y si fueramos de vocho?

– No, vocho no. Mejor vamos de combi.

– Orales, ya estamos.

Escrevi em español, porque a conversa assim foi, ipsis verbis, mas, para que percebam perfeitamente, passo a traduzir.

– E, como vamos?

– De mochila às costas… Espera, tive uma ideia melhor, e se vamos de carocha.

– Não, de carocha não, Nesse caso, melhor vamos num “pão de forma”

– De acordo. Já está.

E, assim, mais ou menos loucos (o destino o dirá) decidimos mudar completamente a nossa vida e atrever-nos a completar esta viagem de quem sabe quanto tempo e quantos milhares de quilómetros. Depois desta conversa seguiram-se uns minutos de silêncio entre os dois. Simplesmente a desfrutar o entardecer com um pôr-do-sol fantástico sobre um Oceano Pacífico que essa tarde se vestiu de 3000 mil tons de laranja para receber esta nossa decisão.

A emoção da aventura apoderou-se de nós. Já não podíamos pensar noutra coisa. Isto era o que sempre quisemos e nunca pensamos ter a coragem de concretizar. Mas já estávamos decididos, mesmo não tendo a mínima ideia de como o concretizar. A única certeza era que a decisão era irrevogável e que de uma maneira ou outra, teríamos de fazer com que o sonho se tornasse realidade.

E assim, se iniciou a busca, as perguntas, as dúvidas, os receios, as emoções.

– Onde vamos conseguir a pão de forma?

– Quanto quilómetros serão?

– Quanto tempo vamos viajar?

– Como vamos a avisar as nossas famílias?

– SEREMOS CAPAZES?

.

Agora, mais de 6 meses depois de termos decidido avançar, estamos já em viagem. Abandonámos a Cidade do México há já quase 2 meses. Deixamos o nosso apartamento e passamos a acampar num tenda em casa dos nossos amigos Navarro (a maneira como os conhecemos, é também uma super história que retrata exactamente o que pretendemos desta viagem, conhecer pessoas tão diferentes, mas tão interessantes, mas sobretudo tão boas e generosas…  mas, essa história ficará para outro dia), isto até ao dia em que já pudemos restaurar o interior da Amália Frida e a partir daí, há cerca de 2 semanas que já estamos a viver dentro da nossa nova casa.

Por isso respondemos que para nós a viagem já começou há muito tempo.

Hoje, tudo é diferente para nós. Dormimos no tecto de uma combi. A água quente para tomar banho provém do nosso chuveiro portátil solar, isto quando temos acesso a água para poder encher o reservatório. Temos trabalhado mais duro que nunca, neste últimos 2 meses. Passamos os dias untados com óleo de motor, com terra, pó, serrim ou raspas de metal. Doem-nos as mãos, os braços e as costas, pois, entre baixar e subir o motor, limpar peças, apertar e desapertar parafusos de todas as cores, tamanhos e feitios, cortar, dobrar e pulir ferros e madeiras, pouco tem sido o tempo para descansar. E, mesmo assim, invade-nos um sentimento de paz e alegria, estamos felizes e cada dia com mais certeza que tomamos a decisão correcta.

Claro que estamos ansiosos por voltar à estrada. Queremos começar a fazer o que nos propomos. Queremos conhecer novos lugares, novas pessoas, percorrer quilómetros, começar a contar contos.

Já quase tudo está pronto, mas os últimos detalhes têm-nos atrasado um pouco a partida. Há sempre uma peça que não existe em stock e que temos de buscar por toda a cidade ou esperar que a tragam de outros lugares.

Além dos grandes amigos que já tínhamos aqui em Guadalajara, tivemos o privilégio de fazer novas amizades com pessoas com um coração de ouro que nos têm ajudado a conseguir os nossos objectivos e sem as quais não seria possível chegar onde estamos hoje. Os que já nos conheciam receberam-nos de braços abertos e os novos amigos que fomos conhecendo, abriram-nos o seu coração e alguns inclusive a sua casa, pondo a sua confiança em 2 loucos desconhecidos que simplesmente os convidaram a participar e a ajudar um projecto de uma viagem por toda a América Latina numa combi azul. Tão bem nos receberam, mas creio que neste momento já desejam que nos vaiamos, porque imagine-se já nos organizaram 3 festas de despedida e, mesmo assim, ainda não se conseguiram ver livres de nós.

Mas, descansem, prometemos em breve partir.

Este texto é dedicado a todos os que tanto nos têm ajudado e cujos nomes não nos cansamos de referir.

Muito Obrigado Adriana, Arturo, Pilar, Álvaro, Alejandro, Elia, Caro, Ale, Efrain, Miroslava, Brisa, Carlos, Gera, Miguel, Ale. Muito Obrigado.

Mas, acima de todos há 4 pessoas a quem temos muito a agradecer. Foram as primeiras pessoas com quem partilhamos o nosso desejo de empreender esta aventura. E desde o primeiro minuto nos têm dado a força suficiente para continuar em frente e ultrapassar as adversidades. Os seus nomes são Lúcia e Rosário, David e Constantino. São os nossos pais e os nossos melhores amigos. São a nossa inspiração. MUITO OBRIGADO!!!

Anúncios

3 thoughts on “Crónica de uma viagem anunciada

  1. Qué bonito! Su blog se acaba de volver como un nuevo libro que estou ansiosa por leer. Es increíble que hayan hecho este viaje y me siento súper afortunada de haberlos conocido. Me encanta su historia, me llena de inspiración y me hace pensar que no es ninguna coincidencia esta oportunidad que tengo de trabajar con ustedes..es el destino.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s